7 de fevereiro de 2015

Crítica: Suspiria (1977)


Atenção: Este post contém spoilers sobre o filme.

Tirei o último final semana para assistir alguns filmes e rever outros. Um deles foi Suspiria, de quem sempre ouvi elogios, mas nunca havia visto. Não pesquisei muito sobre ele (nem a sinopse). Queria mesmo vê-lo com expectativa, para ver se tinha aquela bola toda. E devo-lhes dizer: me arrependo de nunca tê-lo assistido antes. Vou logo avisando que irei contar boa parte do filme, menos o final. 

Bom, o filme começa nos mostrando a jovem bailarina Suzy Bannion (Jessica Harper), que se muda de Nova York para a Europa, indo estudar em uma conceituada escola de dança. Porém, quando ela chega, mais tarde do que imaginava, seus planos são atrapalhados tanto por uma grande tempestade quanto por uma das alunas não deixar entrar no prédio. Há também outra estudante, que sai do prédio no momento que Suzy chega, parecendo perturbada.

A jovem sai correndo até um prédio, onde mora uma amiga. Após se limpar, ela se tranca no quarto do apartamento, sem explicar muita coisa para a amiga, apenas dizendo que não pode voltar até a escola e que vai embora para casa assim que possível. Porém, a jovem é atacada por algo e morta, sendo jogada no teto de vidro do prédio. Os vidros acabam matando a amiga dela.


Suzy volta para a escola no outro dia, desta vez, sendo recebida pela professora Tarner (Alida Valli) e pela Madame Blanc (Joan Bennett), encarregada de coordenar a escola enquanto a diretora está viajando. No local há alguns policiais investigando a morte da jovem, que descobrimos se chamar Pat. Seu quarto ainda não foi vago, portanto Suzy fica com a egocêntrica Olga. No meio de sua primeira aula, Suzy fica tonta e desmaia, sendo logo transportada para o quarto que pertencia à Pat, contra a sua vontade.

Ela conhece Sara, que era melhor amiga de Pat e que logo compartilha desconfianças por volta da morte da garota. Suzy, que também já vinha desconfiando de algumas coisas, junta suas teorias com a de Sara, tentando descobrir as verdadeiras intenções do corpo docente do Instituto. Quando Sara desaparece, Suzy percebe que tudo está conectado e acaba descobrindo o terrível segredo do Instituto.


Esse filme é o primeiro de uma trilogia, dirigida pelo gênio Dario Argento. Os outros filmes são A Mansão do Inferno (1980) e O Retorno da Maldição - A Mãe das Lágrimas (2007), esse último sendo estrelado pela sua filha, Asia Argento (Terra dos Mortos). Ainda não conferi esses dois últimos, mas com certeza irei.

Se há uma palavra que pode resumir esse filme é fantástico. Sem dúvidas, Suspiria é um filme que ficará na sua memória, querendo ou não. Tudo nele passa uma ideia de surrealismo, desde sua cenografia até a trilha sonora. A história é fascinante e te prende desde o início, que não poupa esforços de já começar o filme impactando.

A cena inicial é daquelas cenas que você assiste e já percebe que foi Argento que fez. Também é cheia de técnicas setentistas, como a trilha sonora que é “um-pouco-agitada-demais-para-a-situação”, as exageradas expressões de pavor das atrizes e... bom, o sangue. Durante todo o filme, você consegue perceber isso. O sangue é vermelho demais para passar alguma impressão de realismo; dá para ver que é tinta. Mas, não acho que isso atrapalha no geral do filme.


Também desde o início, podemos logo notar a forte trilha sonora, que é tão assustadora quanto o filme. Não é os toques nem algo do tipo; ela simplesmente te deixa muito desconfortável. E o filme já tem um clima que é tudo menos confortável. Some esses dois elementos com a cenografia que abusa de cores vibrantes, muitas vezes te deixando perdido nas cenas e bam!

Gostei bastante do jeito que o filme se desenrola. É algo calmo e ao mesmo tempo lento, construído de forma calculada até o seu final. O lance do "segredo - íris", a sala com as flores, a ideia de Suzy contar os passos. Tudo é meticulosamente escrito, deixando o filme mais rico, profundo. Não há nada de superficial nele, é algo que mergulha em sua própria história.

A experiência de se assistir Suspiria é algo inconfundível e que todo bom fã de terror deve passar. É algo único, entendem? O filme é daqueles que te deixa pensando durante alguns dias. Algumas cenas são bastante perturbadoras e é até possível levar alguns sustos (mas nada garantido). Assisti poucos filmes de Argento, porém, após esse tenho certeza que irei tentar assistir sua filmografia toda!
por Neto Ribeiro

Título Original: Suspiria
Ano: 1977
Duração: 98 minutos
Direção: Dario Argento
Roteiro: Dario Argento, Daria Nicolodi
Elenco: Jessica Harper, Stefania Casini, Flavio Bucci, Miguel Bosé, Alida Valli, Joan Bennett, Barbara Magnolfi

Postar um comentário